• ميليشيات الحوثي تستهدف عائلة يمنية بقذيفة هاون.. و الهلال يغيثها . /Small/ /1/
  • ميليشيات الحوثي تستهدف عائلة يمنية بقذيفة هاون.. و الهلال يغيثها . /Small/ /2/
  • ميليشيات الحوثي تستهدف عائلة يمنية بقذيفة هاون.. و الهلال يغيثها . /Small/ /3/
Imagem Vídeo

Milícias Houthi atacam uma família Iemenita com morteiro

HODEIDAH, 12 de setembro, 2018 (WAM) - Uma família Iemenita foi atingida por um morteiro disparado pela milícia Houthi em sua casa em uma aldeia em Al Jah, na província de Hodeidah.

A mais recente agressão faz parte de uma série de ataques das milícias contra civis, especialmente crianças.

A concha, que foi disparada em um bairro residencial, feriu Muslah Saeed Al Ahdal e seus filhos, Khaldoun, Nadher e Duaa, que têm entre um e cinco anos. Também feriu um quarto filho de uma outra família chamada Nesrin, que tem menos de cinco anos.

Numa rápida resposta à sua situação humanitária, o Crescente Vermelho dos Emirados prestou assistência aos feridos, a fim de aliviar o seu sofrimento, devido às difíceis condições humanitárias que eles estão enfrentando como resultado das violações contínuas das milícias Houthi contra civis inocentes.

Hamad Al Kaabi, vice-diretor de operações humanitárias dos Emirados Árabes Unidos, disse que a prestação de ajuda emergencial aos feridos se enquadra na responsabilidade humanitária dos EAU em relação aos irmãos no Iêmen para ajudá-los a superar as condições difíceis infligidas pelas milícias Houthi, e estão consistentemente intimidando as pessoas.

Por sua parte, Adham al-Shabhi, Diretor-adjunto do Hospital Cirúrgico Al Khokha, disse que os feridos foram recebidos em condições de saúde difíceis, indicando que receberam cuidados médicos imediatos e apropriados na chegada ao hospital.

De setembro de 2014 a setembro de 2018, 5.580 crianças Iemenitas foram mortas e feridas. O bombardeio indiscriminado dos Houthis contra as casas em Al Jah seguiu suas sucessivas derrotas na província de Hodeidah, e são atos de vingança contra o povo local que os rejeitou, e são parte de sua repetida violação dos direitos humanos, dos direitos das crianças e das cartas e leis internacionais que criminalizam o direcionamento de civis seguros e instalações civis.

Desde o golpe de Houthi, o número de pessoas mortas, feridas e seqüestradas no Iêmen ultrapassou 67.000.

Durante suas observações em Abu Dhabi, Mohammed Askar, Ministro dos Direitos Humanos do Iêmen, acusou as milícias de atacarem deliberadamente as áreas povoadas, estações de eletricidade e poços de água com morteiros e foguetes Katyusha, além de usar os civis como escudos humanos em Hodeidah, afirmando que os atos de depredação e más práticas das milícias Houthi foram expostos à comunidade internacional.

Traduzido por Nadia Allim

http://wam.ae/en/details/1395302707768

WAM/Portuguese