Segunda-feira 05 Dezembro 2022 - 2:02:27 am

EUA e Emirados Árabes Unidos encontram pluralismo e diversidade como fonte de força nacional, diz enviado americano para a liberdade religiosa


Por Binsal Abdulkader

ABU DHABI, 24 de novembro de 2022 -- Nos Estados Unidos e nos Emirados Árabes Unidos, o pluralismo e a diversidade são uma fonte de força nacional, disse um diplomata sênior dos EUA à Agência de Notícias dos Emirados (WAM).

“Acredito que tanto nos Estados Unidos quanto nos Emirados Árabes Unidos, como afirma a Estratégia de Segurança Nacional dos EUA, 'pluralismo, inclusão e diversidade são uma fonte de força nacional em um mundo em rápida mudança'”, disse Rashad Hussain, embaixador dos EUA para a Liberdade Religiosa Internacional.

Hussain, que esteve em visita oficial aos Emirados Árabes Unidos na semana passada, teve a oportunidade de se encontrar com representantes de diversas comunidades religiosas como hindus, cristãos, judeus, muçulmanos e sikhs.

“Foi uma honra sentar com membros dessas comunidades e ouvir diretamente sobre suas experiências como minorias religiosas praticando sua fé nos Emirados Árabes Unidos", declarou.

Templo Hindu, Casa da Família Abraâmica

Rashad Hussain também visitou o canteiro de obras do templo hindu em Abu Dhabi e disse ter ficado impressionado com sua beleza e arquitetura. “Foi encorajador ver diversas comunidades religiosas confortavelmente se identificando e praticando sua fé nos Emirados Árabes Unidos”, destacou.

Falando sobre a Casa da Família Abraâmica, composta por uma mesquita, igreja, sinagoga e centro educacional, que está em construção em Abu Dhabi e que deve ser inaugurada em 2023, o enviado afirmou que se sente encorajado pelo apoio dos Emirados Árabes Unidos às diversas comunidades religiosas. "A Casa da Família Abraâmica e o centro educacional que a acompanha são exemplos dos esforços dos Emirados Árabes Unidos não apenas para promover a tolerância entre as comunidades, também para encorajar um futuro de integração e cooperação religiosa”, pontuou.

Status das minorias nos Emirados Árabes Unidos

Questionado sobre sua impressão sobre a situação dos cristãos e outras minorias religiosas nos Emirados Árabes Unidos, Hussain disse que, em suas reuniões com funcionários do governo e membros de comunidades religiosas nos Emirados Árabes Unidos observou uma parceria em desenvolvimento que busca garantir que todas as necessidades razoáveis ​​sejam atendidas para que diversas comunidades religiosas possam prosperar. Ele citou o Relatório Internacional de Liberdade Religiosa de 2021 do Departamento de Estado dos EUA para os Emirados Árabes Unidos dizendo “[um] alto grau de tolerância social para crenças e tradições religiosas minoritárias, particularmente para aquelas associadas a locais de culto oficialmente reconhecidos pelos governos federal ou local”.

Cooperação EUA-EAU para a liberdade religiosa

O enviado, que participou do Fórum para a Paz de Abu Dhabi, disse que o tema deste ano “Conflito Globalizado e Paz Universal: Necessidades Urgentes de Parcerias” é particularmente oportuno “à medida que trabalhamos juntos para proteger os direitos humanos e promover a paz”.

Sobre a cooperação EUA-EAU para liberdade religiosa e esforços contra o extremismo, ele destacou que a relação bilateral é forte. “Tive a honra de me dirigir a líderes de todo o mundo no Fórum de Paz de Abu Dhabi como parte de nossos esforços contínuos para promover a liberdade religiosa e a paz”, falou.

Outros departamentos e escritórios também cooperam com os Emirados Árabes Unidos em uma ampla gama de questões, incluindo cooperação policial no combate ao terrorismo, combate ao financiamento do terrorismo e compartilhamento de informações relacionadas a regimes e listas de sanções econômicas, explicou Hussain.

Redes sociais e discurso de ódio

Questionado sobre o papel da mídia social no suposto crescimento da divisão religiosa em todo o mundo, o enviado dos EUA disse que, embora as plataformas de mídia social possam servir como uma ferramenta poderosa para conectar pessoas e unir comunidades, às vezes são usadas para espalhar discurso de ódio e incitar a violência difamando e ameaçando membros de minorias religiosas. “Agradecemos os esforços da sociedade civil e outros para usar ferramentas tecnológicas para construir pontes, promover a tolerância e o respeito e combater o ódio", disse.

O Relatório Anual de Liberdade Religiosa Internacional do Departamento de Estado dos EUA detalha as condições que afetam a liberdade de religião ou crença em todos os países, apontou. O último relatório observou que muitos países estão vendo um aumento no antissemitismo, ódio anticristão, ódio antimuçulmano e xenofobia, causando violência contra membros de grupos étnicos ou religiosos minoritários e povos historicamente marginalizados, defendeu o enviado.

Longos anos no serviço público

Hussain, que está na vida pública há muito tempo, disse que durante seu primeiro emprego no Capitólio que os ataques de 11 de setembro fomentaram ainda mais seu interesse em proteger a segurança nacional e as liberdades civis. “Busquei esses interesses como estudante de direito e, quando entrei para o governo Obama, comecei como advogado no escritório do conselho da Casa Branca", lembra.

Mais tarde, enquanto servia como enviado especial para a Organização de Cooperação Islâmica (OIC), trabalhou em várias questões relacionadas com a proteção de minorias religiosas, particularmente em países de maioria muçulmana. Seus trabalhos em um projeto com líderes de todo o mundo muçulmano acabaram levando à Declaração de Marrakesh em 2016, uma iniciativa histórica sobre a proteção da minoria religiosa.s vivendo em países de maioria muçulmana.

https://wam.ae/en/details/1395303105256