Domingo 13 Junho 2021 - 3:51:24 pm

O plano de Biden nos EUA deve encorajar o Oriente Médio a ser exportador de energias renováveis em rede

  • photo5850515691273303182
  • photo5850515691273303180
  • photo5848417672763651703
  • photo5848417672763651706
  • photo5848417672763651705 (1)
  • 1 (3)
  • 3 (1)
  • 2 (16)
  • 4 (1)
  • 5

ABU DHABI, 20 de maio de 2021 (WAM) -- Os ambiciosos planos da Administração Biden para aumentar a escala da energia renovável nos EUA terão um impacto mais amplo no cenário energético do Oriente Médio, especialmente no Golfo Arábico, de acordo com o alto funcionário de um órgão global, especialistas e grandes atores da indústria na região.

Conversando com a Agência de Notícias dos Emirados (WAM) sobre o plano de Biden de fazer dos EUA uma economia de energia 100% limpa com emissões líquidas zero até 2050, Francesco La Camera, Diretor Geral da Agência Internacional de Energia Renovável (IRENA), disse que tais esforços provavelmente incentivarão "um incrível progresso regional", já que o Oriente Médio tem uma profunda oportunidade de maximizar seus recursos de energia renovável e tornar-se um exportador líquido de energia renovável e combustíveis no futuro.

Enquanto isso, um especialista espera que o plano americano influencie o desenvolvimento tecnológico no setor de energia renovável do Oriente Médio. Os agentes do setor como Masdar, Abu Dhabi Future Energy Company, e Siemens Energy Middle East não só esperam que o setor de energia renovável seja preenchido, mas também esperam que as oportunidades de negócios nos EUA sejam abertas pela mais recente iniciativa.

Economia de energia limpa e milhões de novos empregos Em seus primeiros 100 dias no cargo, o Presidente Biden tomou medidas radicais para construir uma nova infra-estrutura americana e uma economia de energia limpa que criará milhões de novos empregos. O Presidente emitiu uma ordem executiva anunciando metas ousadas para alcançar um setor energético livre de poluição de carbono até 2035 e colocar os Estados Unidos em um caminho irreversível para uma economia net-zero até 2050, de acordo com uma declaração da Casa Branca.

Estas iniciativas foram amplamente discutidas no " Primeiros 100 Dias do Programa de Relatórios" dirigido pelo Centro Internacional de Jornalistas, uma organização sem fins lucrativos sediada em Washington, DC.

Os participantes do programa incluíam cerca de uma dúzia de jornalistas de mídias de todo o mundo, incluindo a Agência de Notícias Emirates, WAM.

Impacto em movimentos positivos nos EAU, Saudita, região mais ampla O chefe da IRENA disse, com o impulso da energia limpa de Biden, "É provável que as questões climáticas e de transição energética se tornem áreas cada vez mais importantes para a cooperação e diplomacia entre os EUA e os países da região do Golfo".

"Assim como os EUA, muitos países da região têm uma visão positiva das oportunidades econômicas apresentadas pela transição energética e estão fazendo movimentos muito positivos para competir por uma parte desse futuro", observou La Camera.

"Já estamos vendo tanto os Emirados Árabes Unidos quanto a Arábia Saudita fazerem movimentos muito positivos para redefinir sua liderança energética em uma era descarbonizada, e isto só se fortalecerá à medida que o futuro dos hidrocarbonetos se tornar menos certo", observou ele.

O potencial de energia limpa e o desenvolvimento tecnológico do Oriente Médio Há também um progresso regional incrível em países como Marrocos, Egito, Jordânia e todos os outros, apontou o Diretor Geral da IRENA.

"Acredito que o Oriente Médio tem uma profunda oportunidade de maximizar seus recursos de energia renovável e tornar-se um ator central e potencialmente net-exportador de energia renovável e combustíveis no futuro". Os esforços para realizar isto se fortalecerão ao longo da década", disse La Camera.

Um especialista do setor disse à WAM que o plano de Biden provavelmente influenciaria o desenvolvimento tecnológico no setor de energia renovável do Oriente Médio.

"O Oriente Médio, os países do Golfo em particular, procuram nos EUA orientação quando se trata de desenvolvimentos tecnológicos", disse Frank Wouters, diretor da Rede de Energia Limpa UE-CCG, uma iniciativa financiada pela União Européia para a cooperação estratégica de energia limpa UE-CCG.

"Os planos climáticos têm um ângulo tecnológico muito forte, porque a transição energética gira em torno do desenvolvimento tecnológico, seja tecnologia de construção, painéis solares, turbinas eólicas, eletrólise de água, veículos elétricos ou de célula de combustível, bens de consumo, etc. Os Estados Unidos, com esta iniciativa política voltada para o futuro, é provável que se torne uma casa de força para a tecnologia energética futura", acrescentou ele.

Plano americano de empregos e desenvolvimento tecnológico "Os investimentos em tecnologia, um ponto forte tradicional da economia americana, pagarão dividendos internacionais", disse o diretor da Rede de Energia Limpa UE-CCG.

Espera-se que o Plano Americano de Empregos da Administração Biden, como parte da construção de uma nova infra-estrutura americana e de uma economia de energia limpa, estimule também os investimentos em pesquisa e desenvolvimento.

O Plano Americano de Emprego é um investimento na América que criará milhões de bons empregos, reconstruirá a infra-estrutura do país, pois promete construir, reabilitar e reequipar mais de dois milhões de casas em todo o país, ao mesmo tempo em que melhorará as instalações federais, de acordo com a Casa Branca.

Este esforço criará novas oportunidades de fabricação doméstica para tecnologia de aquecimento e resfriamento elétrico, investirá em pesquisa e desenvolvimento para estimular os avanços da construção inteligente e forjará colaborações que permitirão que os edifícios sejam alimentados por eletricidade limpa.

Os atores regionais da indústria olham para as oportunidades de negócios nos EUA Masdar, Abu Dhabi Future Energy Company, espera que o plano de Biden proporcione uma série de oportunidades nos Estados Unidos para a empresa, disse Mohamed Jameel Al Ramahi, CEO da Masdar, à WAM.

"Nos Estados Unidos, temos projetos significativos no Texas, Califórnia e em outros lugares. Esperamos desenvolver o apetite pelo crescimento das energias renováveis". A iniciativa Build Back Better de Joe Biden também oferece oportunidades significativas de expansão nos Estados Unidos em muitos setores de sustentabilidade", explicou ele.

Build Back Better é a agenda em três partes do Presidente Biden para resgatar, recuperar e reconstruir o país, que inclui três planos denominados Plano de Resgate Americano, Plano Americano de Emprego e Plano Famílias Americanas.

Oportunidades em US$ 2 trilhões de iniciativa O CEO da Masdar continuou que a iniciativa de US$2 trilhões é um investimento de capital único na América para melhorar a infra-estrutura atual e fazer investimentos direcionados em energia limpa, para reduzir a poluição por meio da descarbonização da rede elétrica, dar início à implantação de veículos elétricos e reduzir o uso de energia em edifícios e cidades.

"Esperamos plenamente que um programa deste tamanho e escopo nos proporcione uma série de oportunidades e nos ajude a construir parcerias já fortes nos Estados Unidos com líderes da indústria como EDF e Akuo Energy", disse Al Ramahi, cuja empresa é uma das empresas de renováveis de crescimento mais rápido no mundo, com uma pegada em mais de 30 países.

"Temos mais do que duplicado a capacidade de nosso portfólio de energia renovável somente nos últimos dois anos, investindo ou comprometendo-nos a investir em projetos com um valor combinado de US$ 20 bilhões e uma capacidade de geração próxima a 11 gigawatts (GW) com vários parceiros comerciais", explicou ele.

Potencial de hidrogênio Da mesma forma, a Siemens Energy espera colaborar com o governo dos EUA e fornecer a seus clientes a tecnologia de energia para ajudar a implementar seus planos e atingir suas metas ambiciosas, disse Dietmar Siersdorfer, diretor administrativo da Siemens Energy Middle East, à WAM.

"Temos vários projetos piloto de hidrogênio nos Estados Unidos que nos preparam para integrar grandes quantidades de hidrogênio à rede no futuro. Estes projetos receberam financiamento do Departamento de Energia dos EUA (DOE), o que demonstra nossa colaboração com o governo dos EUA para possibilitar a transição energética", explicou Siersdorfer, que o hidrogênio verde é cada vez mais visto como um papel extremamente importante a ser desempenhado na descarbonização dos sistemas de energia, ele observou.

O hidrogênio verde é um portador de energia muito eficiente que pode descarbonizar setores e aplicações que não podem ser facilmente eletrificados com eletricidade renovável, disse o executivo.

"Estes podem variar desde a indústria de transporte a aplicações industriais, até a exportação de energia". Estamos vendo muita atenção para o hidrogênio verde e suas aplicações em todo o Oriente Médio também", ressaltou Siersdorfer.

As tecnologias do gás desempenharão um papel fundamental na transição energética para equilibrar o fornecimento flutuante de energia renovável e estabilizar as redes elétricas, observou ele.

"Além disso, as turbinas a gás são um investimento sustentável, funcionando com gás natural agora e com hidrogênio neutro em carbono no futuro", disse Siersdorfer.

Impacto global e doméstico Sobre o impacto global mais amplo do plano de energia limpa de Biden, o chefe da IRENA disse: "Em um contexto global, eu também esperaria que a ambição dos EUA encorajasse mais compromissos de países que ainda não avançaram com as Contribuições Nacionais Determinadas (NDCs) atualizadas e as metas de 2050.

"Enquanto os países responsáveis por cerca de 70% das emissões globais estão agora comprometidos com o net-zero até 2050, a chave para o sucesso está na ação coletiva". Todas as partes devem apresentar uma ambição que exceda todos os compromissos anteriores", sugeriu La Camera.

Sobre o significado doméstico do plano de Biden, o Diretor Geral da IRENA salientou que a posição da Administração Biden sobre energia é muito clara.

"Uma redução das emissões de gases de efeito estufa (GHG) em 50-52 por cento dos níveis de 2005 até 2030 e um sistema de energia totalmente descarbonizado até 2035, o que sem dúvida incluirá um aumento significativo da implantação de energia renovável em todo o país".

"Como disse o Presidente Biden, esta é uma agenda para o crescimento e empregos americanos, bem como para a mitigação do clima", disse La Camera.

Objetivos ambientais e econômicos em conjunto "O Presidente colocou estes objetivos ambientais e econômicos no centro de seu plano, e acredito que ele trará retornos positivos". Os EUA já têm mais de 750.000 pessoas empregadas em energias renováveis e os empregos em instalações solares fotovoltaicas (PV) estão entre os empregos que mais crescem no país", explicou o chefe da IRENA.

A este respeito, o CEO da Masdar acrescentou que o objetivo dos EUA de reduzir o GHG em 50-52 por cento até 2030 é uma meta ambiciosa, e estabelece a referência para outras nações.

"Isso mostra o quanto os EUA estão levando a sério a questão da mudança climática, e esperamos ver outros países, desenvolvidos e em desenvolvimento, seguirem o exemplo". Afinal, o dividendo verde do investimento em infraestrutura, através de iniciativas como o Biden's Build Back Better, tem o potencial de transformar nosso mundo", enfatizou Al Ramahi.

"Isto exigirá colaboração internacional em muitos campos, da política à tecnologia ao comércio, e exigirá uma liderança firme", disse ele.

Trad. por Nadia Allim.

http://www.wam.ae/en/details/1395302936138n

WAM/Portuguese