Segunda-feira 14 Junho 2021 - 12:14:33 am

Os EAU têm muito a contribuir para o Conselho de Segurança da ONU, seu sistema multilateral: Lana Nusseibeh


Por Ahmed Gamal ABU DHABI, 10 de junho de 2021 (WAM) -- Lana Nusseibeh, Embaixadora e Representante Permanente dos Emirados Árabes Unidos junto às Nações Unidas, afirmou que os EAU - como um país dinâmico e voltado para o futuro - acredita que tem muito a oferecer ao Conselho de Segurança da ONU e a todo o sistema multilateral.

Agora é a vez dos Emirados Árabes Unidos provar que podemos ajudar a enfrentar os desafios que o mundo está enfrentando", acrescentou ela.

Amanhã, a 75ª sessão da Assembléia Geral das Nações Unidas realizará uma votação secreta para eleger cinco novos membros não permanentes do Conselho de Segurança para o período 2022-2023, com os EAU concorrendo para a sede do Grupo Ásia-Pacífico.

Nesta importante ocasião, a Embaixadora Nusseibeh, em entrevista exclusiva à Agência de Notícias dos Emirados (WAM), compartilhou sua opinião sobre a candidatura dos EAU, dizendo: "Acreditamos que os EAU têm muito a contribuir para o Conselho de Segurança e para o sistema multilateral como um todo. Somos um país dinâmico e voltado para o futuro em nossa região, um construtor de pontes, um líder humanitário e um centro global de comércio, negócios e inovação".

A Embaixadora acrescentou: "Desde a fundação dos EAU em 1971, um espírito de colaboração tem estado no coração de nossa nação. Sempre procuramos trabalhar juntos com parceiros na busca de soluções que beneficiem nossa humanidade comum".

"Servir como membro do Conselho de Segurança da ONU, um órgão dedicado à procura da paz e segurança internacional, é uma imensa oportunidade para colocar este princípio em prática nos mais altos níveis do multilateralismo para endereçar as questões mais críticas do mundo".

"Acreditamos que os EAU têm muito a contribuir para o Conselho de Segurança e para o sistema multilateral como um todo. Somos um país dinâmico e com visão de futuro em nossa região, um construtor de pontes, um líder humanitário e um centro global de comércio, negócios e inovação".

Ela prosseguiu dizendo: "O mundo hoje é muito diferente do que quando os EAU serviram pela primeira vez no Conselho em 1986-1987. Entretanto, continuamos a acreditar que a paz e a segurança são mais bem servidas quando a comunidade internacional se mantém unida, com o multilateralismo em seu núcleo. É por isso que nossa campanha está ancorada sob o tema 'Unidos mais fortes'".

Sobre sua visão do papel dos EAU no Conselho de Segurança, Nusseibeh disse: "Ocuparemos um assento Ásia-Pacífico no Conselho e representaremos o Grupo Árabe, mas estamos comprometidos em ouvir, aprender e considerar proativamente os pontos de vista de todos os membros da ONU. E, o mais importante, esperamos oferecer uma nova perspectiva ao Conselho com base em nossa compreensão das muitas crises na agenda do Conselho de Segurança, nossa experiência no Oriente Médio e nossa profunda crença no poder da diplomacia.

"Continuaremos empregando uma abordagem multilateral em nosso trabalho e colaborando com outros membros, partes interessadas relevantes e com aqueles no terreno para resolver os desafios globais que ameaçam a paz e a segurança". Neste sentido, daremos prioridade ao avanço da inclusão e ao fomento de sociedades diversas e tolerantes; construir resiliência em questões como mudança climática e saúde global; estimular a inovação, reunindo as nações para aproveitar as oportunidades criadas pelas novas tecnologias; e trabalhar pela paz, dando continuidade à tradição dos EAU de mediação entre as partes em conflito, diminuindo as tensões e alcançando soluções políticas inclusivas para resolver conflitos", acrescentou ela.

Quando questionada sobre quais são as questões em que os EAU se concentrarão durante sua participação no Conselho de Segurança?, a Embaixadora respondeu dizendo: "Enquanto a agenda do Conselho de Segurança é em grande parte impulsionada pelos eventos, o mundo também está enfrentando uma série de desafios que não conhecem fronteiras físicas e que exigem uma ação coletiva para resolver". Acreditamos que os Emirados Árabes Unidos estão bem posicionados para ajudar a resolver muitas dessas questões emergentes e transnacionais.

"A mudança climática, para dar apenas um exemplo, está minando a paz e a estabilidade em todo o mundo, particularmente em países que já estão em conflito ou em situações pós-conflito. Como um grande produtor de hidrocarbonetos que tem se empenhado na diversificação energética, acreditamos que podemos ajudar a promover o consenso em torno de formas práticas de lidar com as ligações entre a mudança climática e a insegurança. Isto inclui incentivar o Conselho a adotar uma abordagem mais antecipatória às ameaças emergentes e defender o uso de energia renovável em operações de paz."

Em adição, planejamos enfrentar muitos dos desafios críticos de nosso tempo, incluindo institucionalizar a igualdade de gênero, fomentar a tolerância e combater o terrorismo e o extremismo, priorizar a ajuda humanitária, enfrentar crises de saúde globais e pandemias, e aproveitar o potencial de inovação para a paz. Estamos comprometidos em trabalhar com outros membros do Conselho para incentivar o consenso e o compromisso sobre estas importantes questões".

A Agência Emirates News perguntou à Embaixadora Lana Nusseibeh, que os EAU aderiram às Nações Unidas em dezembro de 1971, como ela avalia a política externa dos EAU e seu papel na manutenção da paz e segurança internacional hoje? A principal diplomata dos Emirados Árabes Unidos na ONU disse: "Continuamos a ser liderados e inspirados pela política externa estabelecida em nossa fundação. Nossa história reforça nosso compromisso profundo com o diálogo e a diplomacia, bem como uma forte crença na importância da estabilidade, inclusão e prosperidade para a paz e a segurança internacionais".

"De acordo com estes princípios, a política externa dos EAU inclui compromissos de apoio ao desenvolvimento e iniciativas humanitárias e de fortalecimento das relações com países de todos os cantos do mundo.

Como um país que olha constantemente para o futuro, nossa política externa também inclui o aproveitamento do potencial da tecnologia e da inovação. Acreditamos que a inovação tecnológica deve beneficiar muitos, não apenas alguns".

Ela acrescentou: "Tudo isso nos liga à nossa crença de que, melhorando a qualidade de vida das pessoas hoje e das gerações futuras, podemos prevenir e minimizar as ameaças à paz e à segurança. Em última análise, cada país tem um papel a desempenhar na manutenção da paz e da segurança internacionais". Continuamos firmemente comprometidos em fazer nossa parte ao lado da comunidade internacional.

"Como membro do Conselho de Segurança, nossas ações refletirão as prioridades da política externa dos EAU, avançarão nossa visão estratégica para uma região estável e segura, e fortalecerão nossas parcerias com países do mundo inteiro. Esta será apenas a segunda vez na história dos EAU que ocupamos uma das dez cadeiras eleitas do Conselho. A última vez que participamos do Conselho foi há mais de trinta anos, portanto, esta é realmente uma oportunidade única".

Ela concluiu: "Durante nosso mandato no Conselho, o mundo continuará a enfrentar desafios sem precedentes.Agora é a vez dos Emirados Árabes Unidos provarem que podemos ajudar a enfrentar esses desafios, assumindo nossa responsabilidade como membro da comunidade internacional de fazer parcerias com outros membros do Conselho de Segurança da ONU e com o maior número de membros da ONU para alcançar soluções reais e duradouras e um futuro melhor para todos".

Trad. por Nadia Allim.

http://wam.ae/en/details/1395302942471

WAM/Portuguese