Sábado 31 Julho 2021 - 2:00:00 pm

O surto pandêmico de 157 bilhões de dólares do Grupo Banco Mundial é a maior resposta à crise em sua história


WASHINGTON, 20 de julho de 2021 (WAM) -- Em resposta à COVID-19, que prejudicou gravemente a vida e a subsistência de milhões de pessoas nos países em desenvolvimento, o Grupo Banco Mundial empregou mais de US$ 157 bilhões para combater os impactos da pandemia sobre a saúde, econômicos e sociais nos últimos 15 meses (1 de abril de 2020 - 30 de junho de 2021).

Esta é a maior resposta à crise de qualquer período na história do Grupo Banco Mundial e representa um aumento de mais de 60% no período de 15 meses anterior à pandemia. Os compromissos e mobilizações do Grupo Bancário somente no ano fiscal de 2021 (AF21) (1º de julho de 2020 - 30 de junho de 2021) totalizaram cerca de US$ 110 bilhões (ou US$ 84 bilhões excluindo mobilização, financiamento de curto prazo e fundos fiduciários executados pelo destinatário).

Desde o início da pandemia, o Grupo Banco apoiou os países a enfrentar a emergência sanitária, fortalecer os sistemas de saúde, proteger os pobres e vulneráveis, apoiar as empresas, criar empregos e iniciar uma recuperação verde, resiliente e inclusiva.

Após a deterioração econômica relacionada à COVID no ano passado, espera-se que a economia global se expanda 5,6% em 2021. Até o momento, a recuperação é desigual e muitos dos países mais pobres do mundo estão sendo deixados para trás. Enquanto se espera que cerca de 90% das economias avançadas recuperem seus níveis de renda per capita pré-pandêmicos até 2022, apenas cerca de um terço das economias emergentes e em desenvolvimento estão projetadas a fazer o mesmo. Em 2020, a pobreza extrema global aumentou pela primeira vez em mais de 20 anos, com quase 100 milhões de pessoas empurradas para a pobreza extrema.

"Desde o início da pandemia, o Grupo Banco Mundial comprometeu ou mobilizou um recorde de US$ 157 bilhões em novos financiamentos, um nível de apoio sem precedentes para uma crise sem precedentes", disse o Presidente do Grupo Banco Mundial, David Malpass. "Continuaremos a fornecer assistência crítica aos países em desenvolvimento através desta pandemia contínua para ajudar a alcançar uma recuperação econômica mais ampla".

O Grupo Banco Mundial provou ser uma plataforma rápida, inovadora e eficaz para apoiar os países em desenvolvimento à medida que eles respondem à pandemia e fortalecem a resistência a choques futuros". Mas devemos fazer mais ainda. Continuo profundamente preocupado com a disponibilidade limitada de vacinas para os países em desenvolvimento, que são fundamentais para salvar vidas e meios de subsistência".

Trad. por Nadia Allim.

wam.ae/en/details/1395302954299

WAM/Portuguese