O Ministério das Finanças anuncia novas decisões relativas ao imposto sobre as sociedades para as zonas francas

O Ministério das Finanças anuncia novas decisões relativas ao imposto sobre as sociedades para as zonas francas


ABU DHABI, 1 de junho de 2023 (WAM) - O Ministério das Finanças dos Emirados Árabes Unidos publicou duas novas decisões que, em conjunto, especificam as principais características do regime de imposto sobre as sociedades, tal como se aplica às pessoas colectivas que operam fora das zonas francas nos Emirados Árabes Unidos.

Estas incluem a Decisão do Conselho de Ministros n.º 55 de 2023 sobre a determinação do rendimento elegível, bem como a Decisão Ministerial n.º 139 de 2023 sobre as actividades elegíveis e as actividades excluídas.

O anúncio foi feito durante uma conferência de imprensa realizada hoje pelo Ministério na presença de meios de comunicação social locais e internacionais. Younis Haji Al-Khoori, Subsecretário do Ministério das Finanças, abriu a conferência com um discurso de abertura em que agradeceu aos meios de comunicação social o seu importante papel e a sua contribuição activa durante os últimos meses na divulgação de informações precisas sobre o imposto sobre as sociedades.

Abordou os aspectos mais importantes da fase legislativa do imposto sobre as sociedades, que foi marcada pela publicação do Decreto-Lei federal relativo à tributação das sociedades e das empresas, seguido de decisões ministeriais e do Conselho de Ministros.

O Comissário sublinhou a importância estratégica do imposto sobre as sociedades no apoio aos sectores financeiro e económico do país. A conferência incluiu uma apresentação de Shabana Begum, Directora Executiva do Sector das Políticas Fiscais, sobre a aplicação do imposto sobre as sociedades nas zonas francas, à luz das decisões emitidas a este respeito.

O regime do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas nas Zonas Francas está disponível para as "Pessoas das Zonas Francas", que se refere a uma pessoa jurídica constituída ou de outra forma formada ou registada numa Zona Franca.

O regime do imposto sobre as sociedades da Zona Franca é aplicável apenas nas áreas prescritas das Zonas Francas. As empresas podem contactar a autoridade da sua Zona Franca para confirmar se essa Zona Franca é elegível para a taxa de 0%.

O regime do CT da Zona Franca destina-se a ser aplicado apenas a rendimentos derivados de actividades que são realizadas exclusivamente numa Zona Franca ou a partir dela. Isto reflecte-se na definição de "Rendimento Qualificado" que inclui rendimentos provenientes de transacções com outras Pessoas da Zona Franca, bem como rendimentos de origem nacional e estrangeira provenientes da realização de qualquer uma das "Actividades Qualificadas" enumeradas na respectiva Decisão Ministerial.

Em resumo, as "Actividades Qualificadas" incluem o fabrico de bens ou materiais; o processamento de bens ou materiais; a detenção de acções e outros títulos; a propriedade, gestão e operação de navios; serviços de resseguro; serviços de gestão de fundos sujeitos à supervisão regulamentar da autoridade competente dos EAU; e serviços de gestão de património e investimento sujeitos à supervisão regulamentar da autoridade competente dos EAU.

Incluem também serviços de sede a partes relacionadas; serviços de tesouraria e de financiamento a partes relacionadas; financiamento e leasing de aeronaves, incluindo motores e componentes rotativos; serviços de logística; distribuição numa ou a partir de uma zona designada que cumpra as condições relevantes; e quaisquer actividades que sejam auxiliares das actividades acima mencionadas.

O rendimento de certas "Actividades Excluídas" específicas não será tratado como "Rendimento Qualificado", independentemente de o rendimento ser obtido de uma Pessoa da Zona Franca ou como parte da realização de uma "Actividade Qualificada". Sujeito a certas excepções, isto inclui rendimentos derivados de transacções com pessoas singulares, rendimentos derivados de certas actividades de serviços financeiros regulamentados, rendimentos derivados de activos incorpóreos e rendimentos derivados de bens imóveis, que não sejam transacções com Pessoas da Zona Franca em relação a bens imóveis comerciais localizados numa Zona Franca.

A obtenção de rendimentos provenientes de "Actividades Excluídas" ou de qualquer outro rendimento que não seja "Rendimento Qualificado" desqualificará a Pessoa da Zona Franca do regime, sujeito a requisitos de minimis. Para satisfazer os requisitos de minimis, os rendimentos não qualificados auferidos por uma Pessoa da Zona Franca não devem exceder o valor mais baixo de 5% dos seus rendimentos totais ou de AED5.000.000.

Os rendimentos atribuíveis a um estabelecimento estável nacional ou estrangeiro da Pessoa da Zona Franca e os rendimentos atribuíveis a bens imóveis situados numa Zona Franca que não possam beneficiar do regime do Imposto sobre as Sociedades da Zona Franca não contam para o limite de minimis. Em vez disso, o rendimento tributável associado estará sujeito ao regime normal do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas dos EAU, à taxa de 9%.

Se os requisitos de minimis não forem cumpridos ou se a Pessoa da Zona Franca não continuar a cumprir qualquer uma das outras condições de qualificação, a Pessoa da Zona Franca deixará de poder beneficiar do regime de Imposto sobre as Sociedades da Zona Franca durante um período mínimo de cinco (5) anos. Durante este período, a Pessoa da Zona Franca será tratada como um sujeito passivo normal e estará sujeita ao Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas à taxa de 9% sobre o seu Rendimento Colectável superior a AED 375.000.

Todas as Decisões do Conselho de Ministros e Decisões Ministeriais e orientações relacionadas com a Lei do Imposto sobre as Sociedades estão disponíveis no sítio Web do Ministério das Finanças: www.mof.gov.ae.

 

 

nadia allim

https://wam.ae/en/details/1395303164431